Funcionários de fábrica terceirizada da Apple no Brasil ameaçam entrar em greve

Foxconn - Apple - Brasil

Foto por Michaela Kobyakov (http://www.sxc.hu/profile/michaelaw)

Resumo

Os cerca de 2.500 funcionários da Foxconn de Jundiaí – SP podem entrar em greve a partir de 3 de maio deste ano, segundo o Jornal de Jundiaí. Dentre as reivindicações dos funcionários estão melhorias no abastecimento de água, de comida e no transporte dos trabalhadores.

A divulgação da possível greve dos funcionários ocorre às vésperas do Encontro Regional de Parceiros, que ocorrerá no dia 27 de abril em Jundiaí. O evento reunirá prefeitos, agentes do poder público e o SEBRAE-SP para debater estratégias que visem a fortalecer a economia da região.

Pontos positivos

A Foxconn tem sido investigada por um comitê cujo objetivo é averiguar as condições dos trabalhadores da empresa na China. Esse comitê, contratado pela Apple – maior cliente da Foxconn -, e seu relatório ganharam notoriedade internacional depois de denúncias de supostos abusos contra esses trabalhadores. Se as condições de trabalho no Brasil forem adequadamente gerenciadas, o Brasil poderá ser um exemplo de como as duas empresas (Apple e Foxconn) lidam com seus trabalhadores.

Pontos negativos

A forte presença dos sindicatos, ameaçando uma paralisação na recém-lançada fábrica da Foxconn – empresa contratada pela Apple para fabricar produtos como o iPhone e o iPad -, denota para as duas empresas quão moroso pode ser o processo de se fazer negócios no Brasil.

Opinião

Caberia à Foxconn evitar ao máximo exposições desse tipo na mídia, considerando a investigação que já corre na China e considerando também que seu maior cliente é a Apple. Por outro lado, ter no Brasil uma empresa de alta tecnologia, terceirizada da empresa de maior valor de mercado no mundo, é uma oportunidade para o Brasil que não deve ser ignorada. Caberia, portanto, a autoridades mediarem esse conflito, o que não ocorreu.

Fonte 1

Fonte 2

Anúncios